Page 53 - Abrasca Anuário Estatístico 2018
P. 53

    Desempenho setorial Sectorial performance
      MINERAÇÃO
Analistas projetam bom desempenho
As perspectivas favoráveis para o setor em 2017 se confirmaram. O aumento expressivo do preço do minério de ferro e a maior demanda pela China impulsionaram
os negócios, principalmente para a Vale. A empresa fechou o ano com lucro líquido de R$ 17,6 bilhões, o que representou um aumento de 32,8% em relação ao ano anterior e com uma forte geração de caixa: o Ebit somou R$ 34,5bilhões, 37,7% acima do resultado de 2016. As três outras empresas que formam o setor na B3(CCX Carvão, Magnesita e MMX Mineração) encerraram o ano passado com prejuízo.
“O ano de 2017 foi de consolidação para a Vale”, comentou o diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores, Luciano Siani Pires. Segundo ele, três pontos contribuíram para o bom resultado: primeiro ano de operação do Complexo S11D Eliezer Batista, no Pará; entrada da Vale no Novo Mercado com a unificação das suas classes de ações; crescimento de 65% do valor de mercado da empresa.
A empresa conseguiu ainda atingir um dos seus principais objetivos do ano: a redução da dívida líquida, que encerrou 2017 em US$ 18,1 bilhões, uma queda de 27,6% em relação ao ano anterior.
As perspectivas do setor para 2018 são promissoras. Os analistas esperam que o preço do minério de ferro se mantenha entre US$ 60 a US$ 70. Acreditam também que a China continuará investindo em infraestrutura e prosseguirá com a política de fechamento de minas pouco rentáveis, o que significa maior equilíbrio para a balança de oferta e demanda global. Estimam que entre 2018 e 2019 a oferta aumente em quase 119 milhões de toneladas, sendo que 50 milhões virão do projeto S11D da Vale.
Mining
Analysts project good performance
The favorable prospects for the sector in 2017 proved to be accurate. The significant increase in the price of iron ore and the higher demand from China boosted business, especially for Vale. The company ended the year with net income of R$17.6 billion, which represented an increase of 32.8% over the previous year and with a strong cash generation: Ebit totaled R$34.5 billion, 37.7% higher than the result of 2016. The three other companies that make up the sector in B3 (CCX Carvão, Magnesita and MMX Mineração) ended last year with losses.
“The year of 2017 was of consolidation for Vale”, said the Executive Director of Finance and Investor Relations, Luciano Siani Pires. According to him, three points contributed to the good result: the first year of operation of the S11D Eliezer Batista Complex in Pará State; Vale’s entry into the New Market with the unification of its share classes; the growth of 65% in market value of company shares.
The company still managed to achieve one of its main goals of the year: a reduction in net debt, which closed 2017 at US$18.1 billion, a 27.6% drop compared to the previous year.
Industry prospects for 2018 are promising. Analysts expect the price of iron ore to remain stable between U$60 and U$70. They also believe that China will continue investing in infrastructure and stay on track with the policy of closing unprofitable mines, meaning greater harmony in the global balance of supply and demand. They estimate that between 2018 and 2019 the offer will increase by nearly 119 million tons, 50 million of which will come from Vale’s S11D project.
    Mineração Mining
     2016 (R$ 1.000)
Var. Real %   Actual Var. %
  Ativo total Total assets
329.064.684
2017 (R$ 1.000)
   334.627.916
1,64%
    Patrimônio líquido Net worth
135.163.484
149.502.564
10,30%
    Receita líquida   Net revenue
98.029.066
14,04%
  LAJIR EBIT
25.960.248
112.213.188
   34.583.414
32,24%
      Lucro / Prejuízo Net profit (-loss)
13.860.529
17.453.235
25,16%
    Capital de giro   Working capital
37.315.653
  0,30
19.456.059
0,34
-46,45%
   Giro do ativo Asset turnover
-
    Grau de endividamento   Debt to equity ratio
1,43
1,24
-
    53
                  















































   51   52   53   54   55